Princípios Elementares Da Doutrina De Cristo I



HEBREUS CAP.6: VER.1-2

Pelo que deixando os rudimentos da doutrina de Cristo, prossigamos até a perfeição, não lançando de novo o fundamento de: 

1 – Arrependimento de obras mortas

2 – Fé em Deus

3 – Ensino sobre batismos

4 – Imposição de mãos

5 – Ressurreição dos mortos

6 – Juízo eterno

O alvo e a perfeição.

 

Introducao

 Como cristão devemos ter conhecimento dos princípios elementares da doutrina de Cristo, para que neles firmado possa crescer e ser levado para o que é perfeito. Quando o Cristão não tem tal conhecimento, principalmente quando ele tem uma longa caminhada na sua vida cristã, ele é chamado à atenção, porque deveria conhecer tais princípios da doutrina de Cristo, e não deveria está necessitado do conhecimento dos mesmos (Hb 5.12).
 O autor da Carta aos hebreus (eu creio que foi Paulo) chama atenção aos Judeus convertidos para deixarem de lado os princípios das doutrinas de Cristo e que não deveriam lança-los de novo, ele não estava dizendo que os princípios não deveriam ser seguidos; mas que todos já deveriam ter conhecimento de tais princípios, e que em fez de estar lançando tais princípios de novo, deveriam estar firmado neles com base, fundamento elementar de sua vida cristã, e se aperfeiçoando no conhecimento de Cristo lançando novos princípios em cima dos básicos, elementares (Ef 4.13).

 

 Amado não se esqueça que a nossa vida deve estar firmada nesses fundamentos, princípios elementares, porque por falta de conhecimento dessas verdades básicas, princípios básicos da vida cristã muitos têm sido destruídos (Os 4.6), mas quando temos o conhecimento dos princípios elementares da doutrina de Cristo e estamos firmados nos mesmos, somos livres, libertos (Jo 8.31, 32,36) e podemos continuar crescendo no conhecimento de Cristo até chegar à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo (Ef 4.11-16) e se aperfeiçoar com o conhecimento de novos princípios que iremos conhecendo e lançando sobre o que já estamos firmados, assim crescendo para a glória de Deus.

 

 Nos dias atuais nós encontramos muitas pessoas ensinando certas coisas da palavra de Deus, as quais eles afirmam que são doutrinas Bíblicas, porém são apenas dogmas e costumes de homens (doutrinas de homens) e não doutrinas Bíblicas. Doutrinas Bíblicas são as verdades reveladas pelo Espírito Santo encontradas nas Sagradas Escrituras e dogmas são apenas declarações de homens sobre a verdade (1 Co 2.1-16; II Pe 1. 21; Mc 7.6-9; Mt 15. 1-9).

 

 Logo as doutrinas Bíblicas básicas, ou como vemos em hebreus 6.1 os princípios elementares da doutrina de Cristo são: ensinamentos, ensinos, instruções, verdades de Deus em Cristo que dão base, ou seja, fundamento para a nossa vida Cristã.

 

 Em Hebreus 6.1-2 vemos os seis princípios elementares da doutrina de Cristo que são: A base do arrependimento de obras mortas (o fundamento do arrependimento de atos que conduz à morte); Fé em Deus (Fé do tipo de Deus); o ensino de Batismos (doutrina dos batismos); da imposição das mãos; da ressurreição dos mortos e do juízo eterno.

 

 Como existem princípios elementares da doutrina de Cristo, todo cristão deve conhecê-los para que possa na vida cristã continuar a crescer e ir se aperfeiçoando, lançando novos princípios já estabelecidos; então iremos conhecê-los um a um, nas próximas lições.

 

1 – O Princípio Do Arrependimento De Obras Mortas

“Por isso, pondo de parte Os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, A BASE DO ARREPENDIMENTO DE OBRAS MORTAS e da fé em Deus,”.           Hebreus 6.1.
Em Hebreus 6.1 nós encontramos o primeiro princípio elementar da doutrina de Cristo, ou podemos dizer, o primeiro fundamento, doutrina base, que é o princípio do arrependimento de obras mortas.
Nós que somos cristãos devemos entender que há na Palavra de Deus, revelada em Cristo e manifesta a nós hoje pelo o Espírito Santo, doutrinas básicas, princípios elementares da doutrina de Cristo que nos sustenta em nossa vida cristã, e todos nós temos que ter consciência desses princípios.
O arrependimento de obras mortas é o primeiro princípio elementar da doutrina de Cristo.
Todavia, você, pode se perguntar: o que significa arrependimento de obras mortas?
Arrependimento
Vejamos o que significa arrependimento.
Arrependimento é dor moral, sentir magoa ou tristeza por alguma falta cometida, ou atitude tomada, com mudança de opinião, de direção e de atitude (Lc 15.11-32. A parábola do filho pródigo); segundo o dicionário da Bíblia de Almeida, arrependimento é uma decisão de mudança total de atitude e de vida, em que a pessoa, por ação divina, é levada a reconhecer o seu pecado e a sentir tristeza por ele, decidindo-se a abandoná-lo, baseando sua confiança em Deus (Mt 3.2-8; 2Co 7.9-10; 2Pe 3.9). O complemento do arrependimento é a fé. E os dois juntos constituem a conversão.
O cristão deve saber que há uma diferença entre o arrependimento e o remorso.  Uma pessoa arrependida é aquela que sentir dor, mágoa, tristeza por algo de errado que fez, mas tal pessoa muda de atitude. Porém, uma pessoa que tem remorso senti dor, mágoa, tristeza por algo de errado que fez, mas tal pessoa não muda de atitude.
Então,se dizemos que estamos arrependidos e não mudamos as nossas atitudes, demonstramos que tivemos remorso e não arrependimento, por que quem se arrepende muda de atitude em relação ao erro cometido, e da um novo rumo a sua vida.
Arrependimento Bíblico
 
O arrependimento bíblico é algo que acontece na vida de alguém que ouvi a Palavra de Deus, decide mudar de vida e seguir a Jesus, arrependido de ter vivido uma vida sem Deus, uma vida de pecado, porém, por ouvir a Palavra de Deus, é gerado fé no seu coração, se arrepende, mudando do reino das trevas para o Reino de Deus, deixando de ser discípulo do mundo para ser discípulo de Jesus.
Todavia, o arrependimento que a Bíblia nos ensina é um princípio que devemos usar todos os dias, porque, há algumas áreas em nossas vidas que não agimos ainda por fé, então, nestas áreas precisamos nos arrepender, por que quando agimos sem fé pecamos (Rm 14.23). E para que possamos nos arrepender precisamos ter conhecimento (Os 4.6; Jo 8.31,32,36).
Você pode se perguntar: Por que o homem necessita de arrependimento? Porque a Palavra de Deus nos ensina que o homem pecou e foi separado de Deus, morreu espiritualmente (Gn 3; Rm 5.12; 3.23; Is 59.1,2). A Bíblia também nos ensina que o homem necessita de arrependimento, porque o ser humano tem vivido uma vida que nega a Cristo, vivendo em incredulidade (Jo 16.8,9), e por necessitar da reconciliação com Deus (2Co 5.18-20).
Amado, todos devemos saber que o homem pecou e foi separado de Deus, e por causa do pecado do homem, o pecado entrou no mundo, e por o pecado está no mundo, quando o homem conhece o pecado e peca é separado de Deus no espírito, necessitando assim do arrependimento para se reconciliar com Deus, voltando a ser como Deus o criou no espírito; não esqueça, o pecado faz separação entre Deus e o homem, e por o homem sem Deus está em/no pecado, como eu já disse, está separado de Deus no espírito, por isso necessita de arrependimento bíblico, precisa deixar a Palavra de Deus entrar no seu coração, para que seja gerada a fé no seu coração, para o arrependimento, e possa nascer de novo se tornando uma nova criatura.
O arrependimento bíblico provoca mudanças na vida do homem, na esfera espiritual, na esfera mental e física. Na esfera espiritual a fé e o arrependimento trazem o novo nascimento, eliminando a natureza de pecado e dando ao homem uma natureza de santidade. Na esfera mental, devemos praticar o arrependimento bíblico para renovarmos a mente (Rm 12.2). Na esfera física devemos praticar o arrependimento bíblico para lançarmos fora os costumes do velho homem e manifestar o novo homem criado em Cristo Jesus (Ef 4.22.24; 3.8-11).
Amado, cresça espiritualmente, mentalmente e viva uma vida social agradável, praticando o princípio do arrependimento.
A Palavra de Deus, a Bíblia sagrada nos mostra alguns líderes que pregaram o princípio do arrependimento: João Batista (Mt 3.2); Jesus (Mt 4.17); os Apóstolos (At 2.37,38); e Paulo (At 26.18-20).
A realidade do arrependimento 
na velha e nova aliança
A realidade do arrependimento na época de João e Jesus Cristo, antes da sua ressurreição (antes da ressurreição de Jesus a realidade que o homem vivia era a velha aliança), é diferente da realidade da nova aliança.
Na velha aliança a fé para o arrependimento não trazia o novo nascimento, só era um arrependimento que trazia mudanças de direção, atos, obras, atitudes em relação a sua vida humana e aos deuses, onde as pessoas deixavam de viver uma vida perversa e de servir aos deuses pagãos, e passavam a viver uma vida segundo a lei e servindo só a Deus, e essa realidade apenas os beneficiavam, ou seja, levava-os a desfrutar das promessas da lei e das feitas ao patriarca Abraão.
Todavia na nova aliança a fé para o arrependimento nos traz uma mudança completa, espírito, alma e corpo. Trazendo ao homem a mudança mais importante da vida humana, que é o novo nascimento, e por ser um homem criado segundo Deus pode aplicar o princípio do arrependimento na mente e no corpo, podendo desfrutar na vida, todos os benefícios da Palavra de Deus.
Santo, entenda, somos justificados pela fé e não por arrependimento, no entanto quando é gerado fé no coração do homem através das boas novas de Jesus há arrependimento, e quem tem fé em Cristo sempre se arrepende, e passa a andar como justo, nas áreas necessárias.
A realidade do arrependimento bíblico
para o pecador e para o cristão
Há uma diferença entre o arrependimento do pecador e o arrependimento do cristão. Existem passos específicos que tanto o pecador como o cristão deve dar para o arrependimento.
O arrependimento do pecador se dar quando o mesmo reconhece que é um pecador e necessita de Jesus para ser salvo do pecado (1º passo); ele sente dor, magoa, tristeza, por ter ofendido a Deus por não crer em Jesus Cristo, e viver em incredulidade (2º passo); ele necessita confessar a Jesus como Salvador da sua vida, recebendo redenção, deixando de ser pecador passando a ser uma nova criatura (Rm 3.23-24; 10.8-10; 2Co 5.17 / 3º passo); deve também mudar completamente de atitudes e de opinião (Pv 28.13; At 26.18-20; Rm 12.1,2 / 4º Passo).
O pecador precisa do arrependimento bíblico para que possa nascer de novo e viver uma vida de comunhão com Deus.
O arrependimento do cristão tem alguns passos diferentes do arrependimento do pecador, porque o cristão não deve reconhecer que é pecador, porque hoje ele é uma nova criatura, o cristão apenas deve reconhecer o seu erro (1º passo); sentir dor, magoa, tristeza por ter ofendido a Deus que agora é o seu Pai (2 Passo); e agora o cristão deve dar um passo muito diferente do pecador (o pecador deve reconhecer que é pecador quando se arrepende, porém você não pode pedir a ele para confessar todos os seus pecados porque não terá nem como lembrar de todos os pecados, e o mesmo não necessita apenas de perdão de pecados, mas de redenção, mudança de natureza); todavia o cristão por já ter a redenção em Cristo deve confessar cada pecado cometido quando se arrepende, um por um (1Jo 1.9 / 3º Passo); mudar completamente de atitude e opinião, decidindo sempre praticar o princípio do arrependimento nas áreas que necessita em sua vida (4° Passo).
Amado, sempre que você pecar se arrependa, porque uma vida de pecado impede o fluir das bênçãos de Deus em nossas vidas.
O cristão deve sempre se arrepender quando observa que está andando sem fé ou pecando, pois uma vida de pecado não agrada a Deus, e nos separa Dele e do seu melhor (Rm 8.8, 13; 1Pe 1.16). Se o cristão não se arrepender ocorrerá com ele exatamente como a Bíblia diz, e Ela nos diz que “quando não se arrepende, o homem envelhece”. Leia Salmos 32.3-5.
Porém, quando o homem se arrepende a Bíblia diz que ele se despoja do velho homem (Ef 22.24; Cl 3.8-11), tem muita alegria (Lc 15.7); é bem aventurado (Sl 32.1,2); há paz no seu espírito (Rm 5.1); e há refrigério ( At 3.19,20).
Abençoado, pratique em sua vida o princípio do arrependimento. E se você se arrependeu verdadeiramente, os seus frutos, as suas obras, atitudes, irão demonstrar, pois a Palavra de Deus nos ensina através de João Batista: “produzi, pois, frutos dignos de arrependimento” (Lc3.8; Mt 3.8), e através de Paulo: “fazendo obras dignas de arrependimento” (At 26.20).
No entanto não se esqueça que o princípio elementar da doutrina de Cristo é “arrependimento de obras mortas
Obras mortas
O que significa obras mortas? Segundo, a nova versão internacional “obras mortas” são “atos que conduzem à morte”.
Então, como sabemos que na Palavra de Deus, a Bíblia, morte significa separação, podemos dizer, que devemos nos arrepender de todas as obras, atos, que nos conduzem, nos levam há uma vida separada de Deus.
Por isso que Paulo chama o primeiro princípio elementar da doutrina de Cristo de “arrependimento de obras mortas”, porque devemos se arrepender de qualquer coisa que nos separe de Deus, tanto no âmbito espiritual, mental e físico.
O pecador deve praticar a doutrina do arrependimento de obras mortas, porque ele vive na pratica, em obras, atos pecaminosos que o separa de Deus.
O cristão deve praticar a doutrina do arrependimento de obras mortas para ele não ser separado de Deus, porque quando o cristão pratica alguma obra que o conduz a morte (a separação de Deus), ele deve se arrepender daquela obra que traz morte, separação de Deus, destruição para a sua vida.
O Senhor também ministrou ao meu coração uma realidade importante sobre a doutrina do arrependimento de obras mortas, a qual eu quero ministrar a você.
Você sabe que deve viver uma vida de arrependimento, que as obras mortas são obras, atos que nos levam à separação de Deus e nos trás destruição espiritual, mental e física. Amém.
Amado, eu quero que você saiba que como cristão você é uma nova criatura, todo o seu passado foi apagado, não é mais necessário que você peça perdão a Deus pelos seus pecados passados, nem ficar se lamentando pelos os mesmos, porque no dia em que aceitamos a Jesus, todo o nosso passado foi apagado, para Deus em Cristo, nós, não temos mais pecado, pois Ele nos ver como uma nova criação perfeita.
O Senhor me ensinou através da doutrina do arrependimento de obras mortas que o cristão não deve ficar se arrependendo (no sentido de condenação, dor, magoa, tristeza) das obras mortas do passado, porque para Deus aquelas obras já foram eliminadas pelo sangue do cordeiro.
Então, amado,  não fique se lamentando pelo o que você fez no passado, quando você não era cristão; e se você como cristão fez alguma coisa que traz morte, confesse-a ao Senhor e receba o perdão dos seus pecados, e não precisará você pedir perdão novamente ao Senhor como sinal de arrependimento por uma obra que o Senhor já o perdoou.
A Palavra nos diz que o sangue de Jesus nos purifica da consciência de obras morta (Hb 9.14), não aceite nem uma voz que lhe condene pelas obras que você praticou no passado, entenda o sangue que Jesus derramou lá na cruz te purificou de todo pecado.
Amado, viva uma vida baseada no princípio do arrependimento de obras mortas, mude sempre para o melhor, observe as áreas de sua vida que você não tem andado por fé se arrependa e comece a andar nessas áreas pela fé na palavra de Deus.

2 – O Princípio Da Fé Em Deus

“Por isso, pondo de parte Os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas E DA FÉ EM DEUS,”                                     Hebreus 6.1.
Em Hebreus 6.1 nós encontramos os primeiros princípios elementares da doutrina de Cristo, ou podemos dizer, os primeiros fundamentos, doutrinas básicas, que são o princípio do arrependimento de obras mortas que já estudamos na lição anterior, e a doutrina base, elementar de Cristo que a fé em Deus, ou seja, a fé do tipo de Deus.
A fé em Deus como vermos em Hebreus 6.1 é o segundo principio elementar da doutrina de Cristo.
Nós que somos cristãos devemos entender que há na palavra de Deus, um princípio que sustenta a vida cristã que é a fé em Deus, a fé do tipo de Deus, e este princípio nos foi revelado, ensinado, por Jesus Cristo. Hoje, esse princípio elementar é manifestado a nós pelo o Espírito Santo, e todos nós temos que ter consciência desse princípio. A fé do tipo de Deus está em nós, no nosso homem interior, espírito.
No entanto, você pode se perguntar: o que significa fé em Deus? Pastor que historia é essa de fé do tipo de Deus?
A Bíblia no revela que Deus é um Deus de fé
Quando aceitamos a Jesus Cristo como nosso Salvador, nós nos tornamos filhos de Deus, nós somos o seu povo e Ele é o nosso Deus, nós estamos Nele e Ele em nós. Devemos cada dia mais crermos nesta realidade e andar nela.
Devemos meditar na Palavra de Deus, porque o que a Palavra de Deus diz é a verdade, e a Palavra nos diz que temos Um Deus de Fé, e este Deus de Fé habita dentro de nós.
Nós devemos conhecer mais sobre esta realidade: habita em nós, Um Deus de Fé.
Quando vivemos cheios de fé fazemos à diferença, porém, devemos viver cheios da fé do tipo de Deus.
Todos, nós, pertencemos a Um Deus de Fé. Por isso fazemos à diferença, porque habita em nós Um Deus de Fé.
Santos, uma das características de Deus é a fé.
O que é fé?
Quando lemos Hebreus 11.1, entendemos o que é fé.
Hebreus 11.1 diz: ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem”, em outra tradução diz: ora a fé è a certeza das coisas que se esperam e a convicção de fatos que não se vêem”, vejamos o que diz a NVI (nova versão internacional): Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos”, ou seja, a fé traz as coisas da  esfera do Espírito para a esfera do natural, traz o futuro para o presente, fala das coisas que não existe como se já existisse. Isto é fé!
Devemos entender que sem a fé nós não podemos agradar a Deus (Hb 11.6).
Porque sem fé nós não agradamos a Deus? Porque Ele é Um Deus de Fé. Quando andamos em fé, andamos em sua realidade e O agradamos.
Fé em Deus é ter fé do tipo de Deus
A Palavra diz em Marcos 11.22 que Jesus, respondendo disse-lhes: Tende fé em Deus”. A frase “tende fé em Deus no grego significa literalmente tenha a fé divina”, ou “tenha a fé do tipo de Deus”.
Por esse conhecimento podemos dizer assim: “tenha fé igual à de Deus”.
Amados, se Jesus falou é porque nós podemos ter essa fé, nós já temos essa fé, porque Deus habita em nós.
O que devemos fazer é conhecer e desenvolver essa fé.
O maravilhoso é que mais na frente em Marcos 11.23 e 24, Jesus fala qual é a fé do tipo de Deus.
Marcos 11.23 e 24, diz: porque em verdade vós digo que qualquer que disser a este monte, ergue-te lança-te no mar, e não duvidar em seu coração,  mas crer que se fará àquilo que diz, tudo que disser  lhe será feito. Por isso, vos digo que tudo que pedirdes, orando , crede que o recebereis e tê-lo-eis”, este Versículo 24 em outras traduções diz assim no final do versículo. crede que recebestes, e será assim convosco”, na versão NVI diz:“creiam que já o receberam, e assim lhes sucederá”.
A fé de Deus é aquela que fala o que crer no coração, que confessa e toma posse, é aquela que crer no que diz, nós devemos crer em nossas palavras. Deus sempre cria no que dizia.
Deus falava a Palavra e acontecia como Ele havia falado, porque Ele acredita, crer, no que fala, é Um Deus de fé.
Vamos observar o que a Palavra de Deus fala sobre este assunto, Hb 11.3 diz: “pela fé entendemos que os mundos, pela Palavra de Deus foram criados, de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente”.
Deus tudo criou pela fé na Sua Palavra, Ele dizia e acontecia (Gn 1.1,3,6,9,11,14,20,24,26).
Amados, nós encontramos mais informações sobre a Fé de Deus em Marcos11. 24, onde diz: “quando orando credes que recebestes, e será assim convosco”. Jesus Cristo estava falando para os discípulos que quando eles orassem crescem que já tinham recebido e seria assim com eles.
Por que Jesus ensinou assim? Porque Deus é assim. Ele fala das coisas que não são como já fossem, ou seja, confessa as coisas que não são no natural como se já existissem. Porque de fato já existe no espiritual, no Reino da Fé, de Deus.
Nós vemos Deus falando de coisas que não são como fossem, na história de Abrão, que passou a se chamar Abraão, a Palavra relata que Deus deu terra a semente de Abrão, antes de existir (Gn 15.18), Abrão não tinha filho, Isaque não existia, ou seja, não tinha nascido, mas ele e sua descendência já tinham aquela terra dada por Deus.
Mas na frente em Gn 17.5, novamente Deus fala de coisas que não são como se já fossem, ele trocou o nome de Abrão para Abraão, que significa “pai de multidões”. Deus disse: e não se chamará mais o teu nome de Abrão, mas Abraão será teu nome, porque por pai de multidão de nações te tenho posto”.
Como Deus poderia colocar uma pessoa que não tinha filho como pai de nações, se Ele não fosse Um Deus de fé. Porque está escrito: “te tenho posto”, “tenho te constituído ou “Eu o constituí”, Deus falou aqui que Abraão já era pai de multidões, mas Abraão não tinha filho.
O Deus de fé habita em nós e nos deu a sua  fé
Glória a Deus por Ele ser Um Deus de fé, glória a Deus por Ele habitar dentro de nós (1Co 3.16; 6.19; Ef 2.19-22).
Esta é uma realidade muito maravilhosa, Deus fala das coisas que não são como se já fossem (Rm 4.17). E nós devemos fazer o mesmo, pois esta fé habita em nós, através do Espírito Santo.
Deus nos deu a Sua fé, agora, somos nós que devemos desenvolvê-la (Rm 12.3). Amado não esqueça que uma das características de Deus é a Fé, e o que é glorioso, é que Deus já repartiu esta fé.
A Fé do tipo de Deus já habita em nós pela Palavra e através do Espírito Santo.
Lembre-se sempre o que Paulo falou para os Efésios, sede pois imitadores de Deus (Ef 5.1). Somos abençoados quando somos imitadores de Deus. Como Ele é um Deus de fé, sejamos nós como membros do corpo de Cristo, mulheres ou homens de fé. Como Ele é um Pai de fé, sejamos filhas ou filhos de fé. Amado, Ungido, viva na fé de Deus que habita em você.
Desenvolva cada dia mais essa fé, através do ouvir e ouvir a Palavra (Rm 10.17), e traga a realidade espiritual para o natural, o futuro para o presente, ande em fé.
Você é o melhor de Deus, você é um líder de multidões; faça essa realidade se tornar real no seu natural.
Você é o melhor de Deus, porque Ele habita em você, e Ele é o melhor, Ele é Deus de fé.
CONFESSE: “eu e Deus somos a maioria”.
Pessoas cheias de fé do tipo de Deus fazem à diferença por onde vai. Fomos criados em Cristo para abalar as nações no poder da Palavra da fé.

3 – O Princípio Dos Batismos

“Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus, O ENSINO DE BATISMOS (e da doutrina dos batismos / BEP) e da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno”.                                              Hebreus 6.1,2.
      A Bíblia nos declara: “e da doutrina DOS BATISMOS” (Hb 6.2).
     Vemos que a palavra batismo se encontra aqui no plural “BATISMOS”, o que a Palavra de Deus quer disser segundo o escritor aos Hebreus (eu creio particularmente que foi Paulo), é que não há um batismo, mas batismos, que quando lemos a Palavra de Deus devemos lê-la com a compreensão desta doutrina, deste princípio elementar, com entendimento que há mais de um batismo, porque se existe um único batismo, como pregam muitos ministros por aí (sem querer ofender os amados); e se você ler a Bíblia com essa visão, com certeza na sua caminhada, em muitas situações você ficará enredado, embaraçado, com dúvida e em confusão, e Deus não é Deus de confusão (1Co 14.33), por isso que Ele nos ensina uma doutrina chamada “os batismos” para que possamos entender verdades bíblicas que muitos por falta de conhecimento estão com elas embaraçados.
     A Palavra de Deus nos fala de vários batismos, porém todos estão interligados e nos mostram na realidade que há três batismos; o batismo em Cristo, no corpo de Cristo, que é o Novo Nascimento; o batismo nas águas que é expressar publicamente, isto é, exteriorizar para as pessoas o que de fato aconteceu no seu interior; e o último desta ordem de três, que é O Batismo Com O Espírito Santo que é a imersão do espírito recriado no Espírito Santo, a promessa do Pai, o dom do Espírito, o revestimento de poder.
     Vamos agora estudar sobre cada um deles.
O Batismo em Cristo
     O primeiro que iremos conhecer é O Batismo Em Cristo, o Novo Nascimento, pois sem ele os demais não podem se realizar verdadeiramente, porque os outros batismos ocorrem na vida de qualquer pessoa dependentemente deste, que é o batismo no Corpo de Cristo, que é o Nascer de Novo, onde somos enxertados, colocados, mergulhados, pelo Espírito Santo, mediante o Nome de Jesus, na Igreja, no Corpo de Cristo, e passamos a ser parte da Igreja, passamos a ser membros do Corpo de Cristo com a própria natureza de Deus, revestido de Cristo.
     Pelo conhecimento desta verdade Paulo escreveu aos Efésios: Há um só Corpo e um só Espírito como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; um só Senhor, uma só fé, UM SÓ BATISMO; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos e por todos e em todos (Ef 4.4-6).
    Quando Paulo fala aqui sobre “um só batismo” ele não esta dizendo que o que estar escrito em Hebreu 6.2, não é verdade, que não há a doutrina dos batismos, mas o que ele esta relatando para os Efésios é a realidade de um dos batismos, que é o batismo no Corpo de Cristo, Chamado de Novo Nascimento; ele esta falando para os Efésios que o homem só pode Nascer de Novo em Cristo, que ele é mergulhado no Corpo de Jesus Cristo quando o aceita como Senhor e Salvador de sua vida; que o homem não pode nascer de Novo várias vezes, porém , uma só vez, e que todos os outros batismos dependem deste; ele não esta dizendo que O Batismo Em Águas, e Com O Espírito Santo não existem, pelo contrário ele esta mostrando uma verdade para os Efésios a qual faria eles entenderem e desfrutar melhor da realidade dos demais batismos, porque quando o povo de Deus entende que quando aceitaram a Jesus, Nasceram de Novo, foram batizados no Corpo de Cristo, e passaram a estar revestidos do mesmo, tem a natureza de Deus, a ser um novo homem e que podem desfrutar tudo o que a Palavra de Deus diz ao seu respeito, eles irão ter prazer em se batizar nas águas como também receber O Batismo Com O Espírito Santo.
Observe alguns versículos que falam do Batismo No Corpo de Cristo, Novo Nascimento, que mostra a nossa identificação com Jesus, e é pela fé nestas verdades que Nascemos de Novo e somos Recriados, Nova Criação, a Igreja, o Corpo de Cristo (Marcos 16.16; Romanos 3.3-6; Colossenses 2.12; 1 Coríntios 12.12,13). Em outra tradução encontramos esse versículo nos trazendo mais clareza. Vejamos o que diz a nova versão internacional (NVI), e uma versão na linguagem de hoje. “pois em um só corpo todos nós fomos batizados EM (POR) UM SÓ ESPÍRITO: quer judeu, quer grego, quer escravo, quer livre…”
1 Coríntios 12.12,13 (NVI); “Assim, também, todos nós, judeus e não-judeus, escravos e livres, FOMOS BATIZADOS PELO MESMO ESPÍRITO para formarmos um só corpo. E a todos nós foi dado de beber do mesmo Espírito”. 1 Coríntios 12.12,13 (BLH).
    Outros versículos que nos mostra o princípio do batismo em Cristo: Tito 3.5b; Gálatas 3.28; 6.15; Efésios 4.22-24; Colossenses 3.9-11; Gálatas 3.27.
    O Batismo Em Cristo, Novo Nascimento é o mais importante na vida cristã, sem ele os demais não podem ocorrer, todavia é o menos conhecido pelo povo de Deus, pela Igreja, de fato hoje, muitos não compreendem verdadeiramente o que ser Nascido de Novo, ter a natureza de Deus, ser uma Nova Criação, por isso que vemos muitos da Igreja dá ênfase ao Batismo Nas Águas, e outros apenas ao Batismo Com O Espírito Santo, e não dá ênfase ao primordial, ao Novo Nascimento, O Batismo Em Cristo.
     Porém quando a Igreja der ênfase ao Batismo No Corpo de Cristo os demais serão também enfatizados corretamente, porque a doutrina que Deus nos deixou foi “dos batismos” e não de “um batismo”. E como vimos que batismo em Cristo, ou seja, no Corpo de Cristo, Novo Nascimento, é você ser colocado, enxertado, mergulhado pelo Espírito Santo, mediante o Nome de Jesus, no Corpo de Cristo, na Igreja; a partir do momento que você crê que tudo que Jesus fez, foi em seu lugar, que sofreu, foi crucificado, morreu (duas mortes), foi sepultado, foi ao inferno, e que lá foi vivificado, ressuscitou e esta sentado à destra do Pai por você e em seu lugar.
     Você que era uma velha criatura, que tinha uma velha natureza chamada de pecado, e por tê-la estava separado de Deus, agora, através do Batismo Em Cristo, Novo Nascimento, se tornou em Cristo Jesus, por crê Nele, um novo homem; o Espírito Santo ti lavou e ti regenerou, recriou, tornando o homem espiritual em Nova Criatura, Deus nos fez uma Nova Criação, Sua em Cristo Jesus, e através da Sua obra, Jesus Cristo, o próprio nos mergulhou no Seu Corpo, pelo Seu Espírito, na Igreja, e todos que tomam a decisão de aceitar a Jesus Cristo como seu Salvador passam a ser uma pessoa Nascida de Novo, desde do momento que o confessou, agora esta em Cristo, em Deus, e o Reino de Deus estar nele, no espírito.
     A partir do Novo Nascimento o homem esta livre do pecado, doença, morte e toda obra do maligno, porque foi batizado em Cristo e esta revestido do mesmo, e eles são um (o homem espiritual e Cristo), hoje, um só Espírito. Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele (1Co 6.17 ARA).
     Após a conscientização do Novo Nascimento, do batismo no Corpo de Cristo, o cristão pode tanto ser batizado em águas, como batizado com o Espírito Santo, não há uma ordem nos batismos como alguns ensinam: “aceita, é batizado em águas, e só depois é batizado com o Espírito Santo”. Este ensino é falso, depois do Novo Nascimento tanto a pessoa pode ser batizada em águas como no Espírito Santo, e vice e versa.
     Vejamos exemplos na Bíblia: Atos 2.38; Atos 10.44-48.
     Na doutrina dos batismos depois do Novo Nascimento, batismo em Cristo, não há uma ordem para os demais se realizar na vida de uma pessoa, porém pelo que estamos estudando iremos falar do batismo nas águas como o segundo na doutrina dos batismos.
O Batismo nas Águas
O que é o batismo nas águas? Para que serve?
O batismo nas águas é um ato que demonstra que a pessoa a qual está o realizando tem consciência do que aconteceu no seu interior, no espírito; é exteriorizar o que aconteceu com o seu velho homem no momento que ele aceitou Jesus, que o seu velho homem morreu com Cristo e que agora ressuscitou com Cristo um novo homem com a natureza de Deus; é um ato de demonstrar a identificação com Jesus em Sua morte, sepultamento e ressurreição; é um ato de obediência à ordem direta de Jesus Cristo para a Igreja, porque Ele disse: Portanto, ide, ensinai (fazeis discípulos) todas as nações, batizando-as (os) em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (Mt 28.19).
Serve para demonstrar diante da sua família que Jesus é o Senhor e Salvador de sua vida; para a demonstração de sua fé em Jesus Cristo; para que as pessoas vejam, o seu ato de confessar o Cristo, onde elas são suas testemunhas, porque a pessoa que praticou o ato do batismo nas águas demonstrou aos demais que morreu para o mundo, e para as obras do diabo, e que nasceu para Deus e para viver aqui na terra as obras do Seu Reino; para que as pessoas que formam a igreja local tenham consciência da sua decisão por Cristo, e que você tem consciência que faz parte do Corpo de Cristo como os demais (que são nascidos de Novo, e o assiste realizar tal ato), assim você confirma para os irmãos da igreja local que tem consciência do que aconteceu com você, e que agora demonstra no natural o que já ocorreu no espiritual; para identificá-lo como um verdadeiro cristão que obedece a ordem do seu Senhor, Salvador e além de tudo, hoje, seu Pai, através de Jesus Cristo.
E para esse batismo o pré-requisito é crer em Jesus de todo coração (Mc 16.16; Rm 10.8-10; At 8.37).
Observamos muitos exemplos na Bíblia de pessoas que pregavam sobre o Batismo nas águas, e pessoas que se batizaram.
Jesus foi batizado, pregou sobre batismo nas águas e batizava (Mt 3.13-17; Jo 3.22,26; 4.1,2). João Batista pregava sobre o batismo nas águas e batizava (Mc 1.4,5,8,9; Jo 3.23). Os discípulos e Apóstolos foram batizados, proclamaram o princípio do batismo nas águas e batizava ( Mt 28.19,20; Jo 4.1,2; At 2.38; 8.12; 8.37,38; 9.18; 22.16; 10.47,48; 16.15; 16.33; 18.8; 19.5).
Todas as pessoas que crêem em Jesus e desejam verdadeiramente ser seus discípulos devem se batizar nas águas (Mt 28.19,20).
A diferença do Batismo nas Águas entre
a velha e nova Aliança.
Falamos acima sobre o batismo nas águas, mas aqui irei falar para você sobre a diferença do batismo nas águas entre a velha aliança e a Nova Aliança. Este assunto foi acrescentado para que você amado estudante da Bíblia possa ter uma maior revelação da Realidade do Batismo nas águas.
Quando falo de velha aliança estou falando do período da história onde os homens serviam a Deus na realidade carnal, natural, as suas obras de sacrifícios a Deus eram símbolos, figuras do que estaria para acontecer, e esta velha aliança só foi encerada, quando a nova aliança foi estabelecida, e a nova só foi estabelecida por Cristo na terra quando Ele ressuscitou. Desse modo, a partir da ressurreição de Jesus Cristo os homens que crêem em Deus podem se reconciliarem com Ele mediante Cristo através da nova aliança; tendo o direito de voltar à posição original a qual foi criado, pelo novo nascimento, podendo servir a Deus em espírito e em verdade.
Os homens que estavam na velha aliança serviam a Deus através da lei, viviam a figura, sombra e símbolos da realidade da nova aliança que foi estabelecida por Jesus, eles não eram nascidos de novo, nem podiam nascer de novo, porque Jesus ainda não tinha pagado a dívida dos homens, serviam a Deus com toda a sua força, porém o seu verdadeiro homem, o espírito, estava separado de Deus, pela morte espiritual, porque quando conheciam o pecado, pecavam e morriam, passando a ter a natureza do pecado, há ser um pecador; na velha aliança os sacrifícios, obras não podiam eliminar esta natureza.
Vejamos: Rm 7.7-11; Hb 10.1-18; Rm 3.20; Gl 2.16.
Você pode até se perguntar. O que é que tem haver isto com o batismo nas águas? Amado, para compreender a diferença do batismo nas águas entre a velha e a nova aliança você teria que entender o que esta acima, por que o batismo nas águas na velha aliança demonstrava o que ainda iria acontecer com o homem espiritual em Cristo, porém o batismo nas águas da nova aliança demonstra o que já aconteceu.
O batismo efetuado por João era para o arrependimento, ou seja, ele mergulhava, imergia as pessoas nas águas como figura de purificação dos pecados, demonstrando que aquelas pessoas estavam arrependidas de viverem sem Deus, e que agora estavam decididas a viverem para Deus e para o seu Reino, o qual seria estabelecido por Jesus Cristo.
O batismo nas águas foi pregado na velha aliança através de João Batista, Jesus e seus discípulos, todavia o batismo nesta realidade como já falei era para demonstrar arrependimento.
Quando nós lemos os evangelhos sempre ouvimos João Batista, Jesus e os discípulos dizerem “arrependei-vos porque é chegado o reino de Deus”.
Observe os seguintes versículos: Mt 3.1,2; Mc 1.4, 5; Lc 3.3; Mt 4.17; Mc 6.12.
Aquelas pessoas que se arrependiam do velho modo de viver e criam no reino de Deus que estava para ser estabelecido, se batizavam como símbolo de conversão, decisão pelo reino de Deus, purificação dos pecados; e creio também que era figura, símbolo e sombra do que iria acontecer por dentro daquelas pessoas que criam no reino de Deus, que elas iriam nascer de novo, ter nova vida através da ressurreição de Jesus, que aqueles que criam iriam ser purificados do pecado.
Para as pessoas da velha aliança era apenas figura e símbolos, eles eram batizados nas águas demonstrando arrependimento e purificação de pecados, mas de fato o batismo nas águas da velha aliança não era um símbolo de eliminação do pecado no homem, no espírito e nem demonstrava uma purificação plena dos pecados no homem interior, era apenas uma figura do verdadeiro, e símbolo de sua conversão, porém nem uma das pessoas que se batizavam nas águas era nascida de novo, nem naquela realidade simbolizavam que tinha nascido no espírito, porque a realidade do novo nascimento só foi realizada de fato no homem depois da ressurreição de Jesus, onde o reino de Deus foi implantado na terra; através dos homens e nos homens que receberam Jesus como Senhor e Salvador.
Todas as pessoas que ouviam João, Jesus e seus discípulos e criam no reino de Deus podiam ser batizados nas águas, demonstrando que estavam arrependidos de viver em pecados e que iriam de agora em diante viver para reino de Deus, porém falo mais uma fez, não era uma demonstração que eles tinham nascidos de novo. Era apenas figura, símbolo, sombra do novo nascimento que iria acontecer com todos que crêem em Cristo Jesus após o estabelecimento da nova aliança.
O batismo nas águas da realidade da nova aliança por outro lado é uma figura, simbologia do que já aconteceu com o Cristão. Quando o crente é batizado nas águas, hoje, ele estar dizendo que crê que morreu e ressuscitou com Cristo e que é uma nova criatura, é uma confissão pública do que já aconteceu no interior no espírito.  Na nova aliança só devem ser batizados aqueles que já nasceram de novo. O batismo nas águas na realidade da nova aliança demonstra para as pessoas que você de fato tem consciência que nasceu de novo, pessoas que não tem consciência do novo nascimento, da nova aliança, não devem ser batizadas.
Resumindo, na velha aliança, que foi o período anterior a ressurreição de Jesus, o batismo realizado neste período era apenas figura, símbolo, sombra do que iria acontecer por dentro, no coração do homem, no espírito, daqueles que crerem em Jesus e no reino que seria estabelecido, porém interiormente não mudava nada, não nascia de novo, nem era porque era nascido de novo, nem o novo nascimento era fato para aquelas pessoas, era apenas simbolismos de purificação, que estavam arrependidos e iriam viver para Deus, mas continuavam sendo pecadores, todavia acreditavam que iriam ser transformados pelo reino de Deus e purificados do pecado através da vida do Messias que iria dar a vida por eles.
Na nova aliança que é o período iniciado na ressurreição de Jesus, o batismo nas águas efetuado após a ressurreição passou a ter um significado diferente da realidade da velha aliança, além de demonstrar arrependimento, e decisão pelo reino de Deus, demonstra também que (a pessoa que realiza o batismo nas águas na nova aliança) é uma nova criatura, que nasceu de novo, esta purificada do pecado, é justa, foi redimida pelo sangue de Jesus, que morreu e ressuscitou com Ele e vive em novidade de vida. Que tem consciência que a vida de Cristo é real, fato no seu espírito (Romanos 3.3-6; Colossenses 2.12)
O Batismo Com O Espírito Santo
 
 Agora na doutrina dos batismos veremos o batismo com o Espírito Santo, o terceiro batismo segundo o que estamos estudando, e não porque exista uma ordem.
Quando lemos o Novo Testamento nós vemos claramente a Palavra de Deus falando sobre O Batismo Com O Espírito Santo.
Nos evangelhos ouvimos sobre O Batizador que Batiza Com O Espírito Santo, Jesus (Mt 3.11; Mc 1.7,8; Lc 3.16; Jo 1.32,33), no livro de Atos dos Apóstolos o próprio Jesus disse que é Ele quem Batiza Com O Espírito Santo (At 1.4, 5,8; 11.16).
Mas, o que é O Batismo Com O Espírito Santo? Amados, se a Bíblia fala do Batismo Com O Espírito Santo, então Ela o explicará o que é, porque a Bíblia explica a própria Bíblia.
Vamos observar o que a Bíblia diz sobre O Batismo Com O Espírito Santo: O Batismo Com O Espírito Santo, é a Imersão do espírito humano, recriado, do homem interior, no Espírito Santo; a promessa do Pai (At 1.4; Jl 2.28,29; At 2.16-18; Lc 24.49; At 2.32,33); o presente de Deus para sua nova criação, um Dom de Deus, A Bíblia o chama de O Dom do Espírito Santo (At 2.38; At 8.14-20; At 10.44-47; At 11.15-17; At 15.8); o Revestimento de Poder (Lc 24.49; At 1.8), que nos traz, nos impulsiona para ousadia e nos dá intrepidez para testemunhar Jesus Cristo (At 1.8; 4.31).
Muitos por não conhecer o que a Bíblia nos ensina sobre O Batismo Com Espírito Santo, e não conhecendo a importância do mesmo, nem para quem são verdadeiramente, perguntam: Quem pode receber O Batismo Com O Espírito Santo?  Se a Bíblia fala sobre O Batismo Com Espírito Santo, Ela também explica para quem são, e a Bíblia nos mostra uma realidade totalmente diferente dos ensinos errôneos que ouvimos sobre o assunto, os quais são ensinados nas igrejas tradicionais que crêem No Batismo Com Espírito Santo; uns ensinam que só era para o tempo dos Apóstolos, outros dizem que as pessoas só recebem quando Deus quer, outros pregam que as pessoas só podem receber depois de muito tempo na igreja, com muito jejum, oração, consagração e muitas mudanças exteriores em relação ao mundo, etc. Mas, a Bíblia diz simplesmente que O Batismo Com O Espírito Santo é para todos que nasceram de novo, que são novas criaturas em Cristo Jesus (II Co 5.17; At 2.38), para todos da época dos Apóstolos, para seus filhos, para os que estavam longe, e para todos quanto o Senhor os chamar, ou seja, para todos que ouvem o chamado de Deus através de Jesus Cristo em sua obra redentora, aceitando ele como seu senhor e salvador de suas vidas (At 2.38).
A Bíblia também nos diz, que O Batismo Com O Espírito Santo é para todos que crêem no nome de Jesus Cristo (Mc 16.17).
Amados, O Batismo Com O Espírito Santo, é para todos que nasceram da água e do Espírito; a partir deste novo nascimento todos tem o direito de receber O Batismo Com Espírito Santo que tem como evidência inicial o falar em línguas estranhas, outras línguas, ou simplesmente línguas; depende de sua tradução; porque desde o momento que aceitamos Jesus como salvador, o Espírito Santo vem morar dentro de nós e traz com Ele; posso dizer assim; um idioma, ou seja, uma linguagem dada por Deus para seus filhos falarem com Ele, enquanto, estão aqui na terra, que são línguas, línguas estranhas ou outras línguas; como já falei, depende da sua tradução (Mc 16.17; Jo 7.38,39; At  2.4; 10.44-46; 19.6; I Co 14.2,4,14,15,18).
Amados, O Batismo Com O Espírito Santo, é um direito seu na nova aliança, usufrua o que Ele proporciona para você hoje, fale em línguas em todo tempo com o Senhor e Ele revelará em Sua Palavra muito mais sobre O Batismo Com Espírito Santo.
As diferenças básicas entre 
o Batismo em Cristo,Batismo nas águas
 e o Batismo com o Espírito Santo
 Para encerarmos as verdades faladas sobre a doutrina dos batismos, iremos expor para você, três coisas básicas que diferenciam os batismos.
Todos os batismos possuem três coisas básicas que você conhecendo, irá poder diferenciar-los.
Primeiro: Todos os batismos necessitam de uma substância, onde o candidato ao batismo será mergulhado.
Segundo: Todos os batismos necessitam de um batizador, ou seja, alguém que imergi ou que tenha autoridade para mergulhar o candidato ao batismo; na substância usada para o batismo.
Terceiro: Todos os batismos necessitam de um candidato que deseja passar ou efetuar os mesmos.
Notando em cada batismo da doutrina dos batismos estas três coisas básicas você poderá claramente distinguir, diferenciar os batismos.
Vamos ver agora estas três coisas básicas em cada batismo da doutrina dos batismos.
No batismo em Cristo qual é a substância? Quem é o batizador? Quem é o candidato?
Vejamos alguns versículos da Palavra de Deus que nos esclarecerá, ou seja, nos dará a resposta para estas três perguntas: Gl 3.27; Rm 6.3; 1 Co 12.13; 1 Co 12.13 / BLH.
Após ler estes versículos, as três perguntas já foram respondidas para você?
Meu amado, nos versículos acima observamos Paulo nos dizer que nós fomos batizados em Cristo. Com esta afirmação nós podemos responder a primeira pergunta. Podemos dizer que a substância, ou local, lugar onde somos batizados, mergulhado, imerso, enxertado no batismo em Cristo, como diz o título do batismo é em Cristo, no Corpo de Cristo, na igreja de Cristo, em Cristo.
Se você parar para meditar, estudar o versículo 13 de 1 Coríntios 12, você terá a resposta da segunda pergunta. Paulo nos revela neste versículo quem é o batizador do batismo em Cristo, ele diz: Assim também, todos nós judeus e não judeus, escravos e livres, fomos batizados pelo mesmo Espírito para formar um corpo… (BLH), em outras traduções pode ser encontrado da seguinte forma por um único Espírito, na tradução NVI não diz exatamente por um único Espírito, mas nos mostra que pode ser traduzido assim colocando em sua tradução uma nota de rodapé neste versículo, dizendo que a preposição “em” pode ser substituída pela preposição “por”. Mostrando-nos quem é o batizador, nos revelando que é o Espírito Santo que nos batiza em Cristo, no corpo de Cristo. O Espírito Santo é o batizador neste batismo.
E através desses mesmos versículos nós podemos identificar quem é o candidato deste batismo, o homem espiritual, o homem interior do coração, que se tornou uma nova criatura; onde tudo se fez novo; que morreu e ressuscitou com Cristo. Porque se não é o homem interior, qual é o homem mergulhado em Cristo? Alguém esqueceu de tudo ao nascer de novo? Todos morrem fisicamente quando aceitam e depois ressuscitam? Claro que não, a Palavra de Deus esta falando do espírito, que o homem espiritual morreu e ressuscitou. E agora é um novo ser recriado pelo Espírito Santo, por DEUS em CRISTO, em justiça e santidade. O homem interior do coração, o homem espiritual, o novo homem é o candidato ao batismo em CRISTO (Romanos 6.3-7; Colossenses 2.12; Tito 3.5; Efésios 4.24 e etc).
Vimos que no batismo em CRISTO, nosso espírito, nosso homem interior é imergido, mergulhado em Cristo, no seu corpo pelo Espírito Santo.
No batismo nas águas, só pelo título nós também já sabemos que a substância é água, mas quem é o batizador? Quando lemos Mateus 28.18-19, nós vemos quem são os batizadores do batismo nas águas; eram os discípulos de JESUS; hoje, os ministros do evangelho, que receberam autoridade de CRISTO, pra batizar em água aqueles que crêem em JESUS como Senhor e Salvador. Quem é o candidato ao batismo neste batismo? Todo o ser humano que receba Jesus como Salvador e Senhor. Porém para o ser mergulhado na águas ele deve ter consciência da sua salvação em CRISTO, que ele é uma nova criatura e crêem em DEUS de todo o coração. Por isso não se deve batizar crianças em água. E mais, não há nenhum versículo na Bíblia que mostrar que as crianças devem ser batizadas, meu irmão, fique somente com a palavra de DEUS (Mateus 28.19; Atos 8.35-39 etc.).
E no batismo no Espírito Santo? Quem é o batizador com o Espírito Santo, quem é o candidato, e qual é a substância onde somos mergulhados neste batismo. Vejamos abaixo.
Na Bíblia encontramos João Batista, Pedro e os demais apóstolos e discípulos, pregando e ensinado que Jesus Cristo batiza com o Espírito Santo, e o próprio Jesus ensinou sobre o Batismo Com O Espírito Santo. Mas, você já parou para meditar, saber o que esta dizendo literalmente quando diz: “Jesus batiza com o Espírito Santo”.
Vamos agora analisar esta frase, e perguntando a ela, nós obteremos todas as respostas que necessitamos sobre o que estamos estudando.
Primeiro: Quem é que batiza com o Espírito Santo? Tanto pelo que já vimos, como a frase diz: Jesus Cristo.
Segundo: Quem é batizado por Jesus Cristo? As pessoas que nEle crê, ou seja, o verdadeiro eu, o homem interior, a nova criatura, criação, a qual expressará o ocorrido no exterior, influenciando e guiando tanto a mente como o corpo, os quais são subjugados pelo espírito, o espírito humano, recriado; e pela fé o mesmo (espírito recriado) leva o corpo, os aparelhos vocais a pronunciar, falar em outras línguas, que é o sinal inicial que evidência o que ocorreu por dentro.
Terceiro: O que significa a palavra batismo? A palavra batismo significa no grego, imersão ou mergulho. Então, entendemos até aqui que é Jesus Cristo que nos mergulha, ou seja, mergulha o homem nascido de novo, recriado.
Quarto: Em quer Jesus nos mergulha, ou seja, qual é a substância usada neste batismo? Está claramente expresso no que a Bíblia diz: “no Espírito Santo” ou “com o Espírito Santo”. Porque a palavra “com” é uma tradução da preposição grega “en” que pode ser traduzida por “por”, “no”, “em” ou “com”. Por isso podemos dizer: no” ou “com” o Espírito Santo.
Amado, devemos entende que quando falamos “no Espírito Santo” estamos dizendo que Jesus nos mergulha no Espírito Santo, ou seja, nos coloca, enxerta no seu Espírito; que o Espírito Santo é a substância na qual Jesus nos mergulha; quanto falamos “com o Espírito Santo” estamos dizendo que Jesus usará o Espírito Santo como Substância para o batismo, nos revelando a realidade do Batismo Com O Espírito Santo como um revestimento de poder; “no Espírito Santo” nos dá idéia de imersão, mergulho na substância, a qual aqui é o Espírito Santo; e “com o Espírito Santo” nos dá idéia que o Espírito Santo será a substância usada para o batismo, ou seja, por isso que O Batismo Com O Espírito Santo é um revestimento de poder, porque Jesus usa o Espírito Santo como Substância na qual somos batizado, mergulhado, mas, também como substância que nos reveste e nos envolve.

4 – O Princípio Da Imposição De Mãos

“Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus, o ensino de batismos, E DA IMPOSIÇÃO DE MÃOS, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno”.                                         Hebreus 6.1,2.
Em Hebreus 6.2 nós encontramos o quarto princípio elementar da doutrina de Cristo, ou podemos dizer, o quarto fundamento, doutrina base, que é o princípio da imposição de mãos.
Nós que somos cristãos devemos entender que o princípio da imposição de mãos é tão importante na doutrina de Cristo quanto os princípios do arrependimento, fé, batismos, juízo eterno e ressurreição.
Todos nós temos que ter consciência desses princípios, não apenas de alguns e de outro não, porque a Bíblia deixa claro para nós que os seis princípios são fundamentais, básicos. Então, amado, fique sempre com a Palavra de Deus.
Muitos cristãos por não ter conhecimento do quarto princípio elementar da doutrina de Cristo, que é o principio da imposição de mãos têm sido destruídos, não usufrui deste princípio, nem deixam outros usufruírem. Muitos criticam por falta de conhecimento e outros por falta de conhecimento usam o princípio da imposição de mãos de uma forma errônea, levando ao extremo (Os 4.6; Jo 8.32).
A doutrina da imposição de mãos é base para as nossas vidas e nós a vemos em toda Bíblia.
Hoje o cristão por está em uma superior aliança deve ter consciência que são membros do corpo de Cristo e que Deus manifesta a sua glória, sinais, prodígios e maravilhas através de nossas mãos (Mc 16.17,18; At 5.12), porque as nossas mãos são as mãos de Cristo em operação, quando um cristão impõe as mãos sobre um doente, um endemoninhado, ou sobre uma pessoa para receber o batismo com o Espírito Santo etc., é como o próprio Jesus tivesse impondo as suas mãos.
O cristão deve entender quer agora ele é a justiça de Deus e todos os seus membros são membros de justiça (2Co 5.21; Rm 6.13,19), as nossas mãos fazem parte desses membros.
As mãos são membros de justiça e devem ser usadas para abençoar e não para praticar coisas ilícitas, nem para atos obscenos; pois as suas mãos não foram feitas para bater em seus filhos, mas para abençoá-los.
A Bíblia nos ensina que Deus nos abençoa através de sua mão poderosa (1Cr 4.10; Is 59.1; At 11.20,21), amado, a Palavra nos ensina a sermos imitadores de Deus, então use as suas mãos para abençoar.
Nós vemos no antigo testamento a história do povo de Israel, e em Êxodo 17.8 ao 16 nós vemos o povo de Israel lutando contra os Amalequitas, e quando lemos esta história podemos ver algo muito interessante, enquanto Moisés estava com as suas mãos levantadas o povo de Israel venciam; quando, porém suas mãos abaixavam e povo de Deus perdiam, no final da história nós percebemos que Arão e Hur compreenderam que quando as mãos de Moisés estavam erguidas o povo de Israel eram abençoados, por isso seguraram as mãos de Moisés e Israel venceu. Observamos também em Deuteronômio 28.8 que a imposição de mãos serve para abençoar, pois a Palavra nos diz que em tudo que ponhamos as nossas mãos é abençoado.
No novo testamento, nós vemos o nosso Mestre praticando o princípio da imposição de mãos para abençoar as criancinhas (Mc 10.13-16; Mt 19.14,15). Siga o exemplo de Jesus e use as suas mãos para abençoar.
Algumas pessoas podem perguntar: além da imposição de mãos servir para abençoar, para que, mais serve a imposição de mãos? A Palavra nos ensina que a imposição de mãos além de abençoar serve para transferência de autoridade (Dt 34.9; Mt 3.13-17), para ministrar cura aos doentes (Mt 8.3,15; 9.25,29; Mc 6.5; 8.22-25; 7.32-35; 5.22-23; 16.17,18; At 28.8,9; 19.11,12), para separar alguém para o ministério quíntuplo (At 13.3), para separação de alguém ao ministério em geral (At 6.6), para o batismo com o Espírito Santo (At 9.17; 1Co 14.18; At 8.14-17; 19.6), para realizar sinais, prodígios e maravilhas para glória de Deus (Mt 16.17,18; At 5.12; 28.8,9; 19.11,12), e para conceder dons (I Tm 4.14; II Tm 1.6).
Amado, as nossas mãos servem para tudo isso segundo a palavra de Deus, por isso que imposição de mãos é uma doutrina básica, um princípio elementar da doutrina de Cristo. Muitos cristãos por não terem conhecimento da mesma, não usufruem deste princípio tremendo da doutrina de Cristo.
Amado, a imposição de mãos é um princípio bíblico que muitos não conhecem, todavia quem conhece não deve usar de uma forma exagerada, extrema, nem como um ritual.
A Bíblia nos ensina que também não devemos impor as nossas mãos precipitadamente (I Tm 5.22).
Existem algumas pessoas que devemos ter cuidado ao impormos as nossas mãos, para não sermos participantes dos seus pecados, por exemplo: não devemos impor as nossas mãos sobre neófito na fé (novo convertido), para separá-lo a uma função ministerial; não devemos também impor as mãos para ministrar dons, sobre pessoas que não nasceram de novo; e tomar cuidado para não colocar as mãos sobre pessoas que vivem na prática do pecado o colocando em uma função indevida.
Amados, se Deus impõe as suas mãos sobre nós e nos abençoa; se Jesus que é a vontade de Deus manifesta aos homens praticou o princípio elementar da imposição de mãos; se os apóstolos também praticaram, nós como discípulo de Jesus e que estamos firmados em sua doutrina devemos fazer o mesmo, praticar em nossas vidas cristã o princípio elementar da imposição de mãos.
Todo cristão deve ter a consciência que a imposição de mãos é uma doutrina praticada por aqueles que crêem no nome de Jesus (Mc 16.17,18).

 

5 – O Princípio Da Ressurreição Dos Mortos

“Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus, o ensino de batismos, e da imposição de mãos, DA RESSURREIÇÃO DOS MORTOS e do juízo eterno”.Hebreus 6.1,2.
    Aqui em Hebreus 6.2 nós encontramos o quinto princípio elementar da doutrina de Cristo, ou podemos dizer, o quinto fundamento, doutrina base, que é o princípio da ressurreição dos mortos.
O que significa ressurreição? Você pode se perguntar.
Segundo o dicionário a ressurreição significa: mortos voltando à vida, ou seja, de volta para a vida.
No dicionário da Bíblia de Almeida, nos mostra que ressurreição é começar uma vida nova de obediência a Deus, a volta de um morto a vida, e a volta à vida, no final dos tempos, de todos os mortos.
Amado, você não deve esquecer que a falta de conhecimento destrói, porém o conhecimento de Cristo verdadeiramente nos torna livre (Os 4.6; Jo 8.32,36). Por isso devemos ter conhecimento deste princípio elementar da doutrina de Cristo, que é o princípio da ressurreição dos mortos.
Quando estudamos a Bíblia podemos encontrar o princípio da ressurreição dos mortos em toda Ela, tanto no antigo testamento como também no novo testamento nós encontramos o princípio elementar da ressurreição dos mortos.
O princípio da ressurreição dos mortos como já sabemos é base para as nossas vidas, e segundo o novo testamento é a base fundamental para a fé cristã, pois o próprio Paulo nos diz que se não houvesse ressurreição a nossa fé seria vã (1Co 15.12-19).
Nós vemos também que Deus falou sobre este princípio no antigo testamento através dos profetas, no novo testamento nós encontramos o próprio Jesus Cristo, Deus feito homem, ministrar sobre a ressurreição dos mortos, e todos os seus discípulos e apóstolos pregaram esse princípio; muitos deles provaram a sua fé na ressurreição dos mortos quando entregavam as suas vidas por amor a Jesus, eram crucificados, decapitados, e morriam de muitas outras formas, todavia por saber que tinham vida no espírito, que já tinham ressuscitado com Cristo, e também tinham certeza que iriam ressuscitar na volta de Jesus para viver em um mundo melhor; por isso se entregavam a morte sem medo.
O nosso maior exemplo (que pregou e praticou o princípio da ressurreição dos mortos), é o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Ele pregou ressurreição, Ele ressuscitou pessoas, Ele morreu e ressuscitou em nosso lugar, foi o primeiro a ressuscitar espiritualmente (nasceu de Deus, foi vivificado, gerado pelo o Espírito Santo), ressuscitou dos mortos, porém diferentes dos demais que já tinham ressuscitado na história, pois os que já tinham sido ressuscitados voltaram a morrer, todavia Jesus ressuscitou dos mortos, mas com um corpo glorificado, imortal, e conquistou para o homem a ressurreição eterna, onde o homem além de ressuscitar dos mortos eles serão transformados, e terão corpos imortais, incorruptíveis e gloriosos semelhantes ao de Jesus.
Pelo que já estudei na Bíblia sobre ressurreição dos mortos, sobre esse princípio elementar da doutrina de Cristo, descobri que na Bíblia aconteceu várias ressurreições, porém o Senhor me revelou que todas as ressurreições escritas na Bíblia estão encaixadas em uma dessas três realidades de ressurreição, as quais eu as classifico como, ressurreição espiritual, ressurreição física ou terrena, e ressurreição eterna.
Então podemos dizer que a três tipos de ressurreição.
 
 A Ressurreição Espiritual
A ressurreição espiritual é a ressurreição do espírito, o novo nascimento, onde o homem espiritual volta à vida perfeita com Deus, através de Jesus, quando Ele ressuscitou espiritualmente dos mortos nós ressuscitamos com Ele (Ef 2.1-6; At 26.23; Rm 1.4; I Co 15.21; Cl 1.18; Rm 6.4).
 Jesus foi o primeiro a ser vivificado, ser gerado pelo Espírito Santo, nascer de Deus, foi o primeiro a surgir da morte espiritual, e todos nos voltamos à vida espiritual juntamente com Ele, ressuscitamos espiritualmente com Ele.
A Morte espiritual segundo a Bíblia é separação do espírito humano de Deus. A palavra ressurreição como já vimos significa “de volta a vida”, então ressurreição espiritual é o espírito humano volta à vida, voltando a ter comunhão com Deus como era antes do pecado.
A ressurreição espiritual é a ressurreição que o dicionário da Bíblia de Almeida classifica como: o começar uma vida nova de obediência a Deus. Podemos então dizer, que ressurreição espiritual é volta a ter uma vida espiritual com Deus onde lhe obedecemos.
              
A Ressurreição terrena
A ressurreição terrena é a ressurreição aonde o corpo físico volta a viver, ou seja, o espírito volta ao corpo e ele volta a viver novamente.
Na ressurreição terrena o homem natural volta à vida pela volta do espírito ao corpo, pela operação do dom de milagres, no entanto o mesmo voltará a deixar o corpo, novamente, e morre (Tg 2.26; Lc 8.41-46).
Vejamos, agora, algumas pessoas que ressuscitaram fisicamente, como estamos estudando, passaram pela ressurreição terrena, voltaram à vida terrena, mas depois deixaram o corpo novamente, se separaram do corpo físico, morreram fisicamente.
Amado, não se esqueça, quando o espírito humano deixa o corpo físico, nesse momento ocorre à morte física ou terrena (Tg 2.26).
No antigo testamento nós vemos Elias e Eliseu ressuscitando pessoas (1 Reis 17.21-24; 2 Reis 4.21-37), nós vemos também no livro de 2 Reis algo glorioso acontecendo, um morto ressuscitou ao tocar nos ossos do profeta Eliseu (2 Reis 13.20-21), a unção que estava nos ossos do profeta passou para o morto e ele ressuscitou, voltou a vida terrena.
No novo testamento nós encontramos a ressurreição de Lázaro (Jo 11.1-43), do filho da viúva de Naim (Lc 7.11-17), e a ressurreição de Dorcas (At 9.36-42) e outras.
Todos esses ressuscitaram, voltaram à vida, voltaram a viver na terra como viviam antes da sua morte terrena, física, mas todos morreram novamente, eles que eram espíritos deixaram os corpos e os corpos deixaram de viver, porque morte física é a separação do espírito do corpo (Tg 2.26; Lc 8.41-46).
A ressurreição que eu chamo de terrena ou física é classificada por Almeida como: a volta de um morto a vida.
A Ressurreição Eterna
Já sabemos o que significa ressurreição, mas porque eterna? O que significa ressurreição eterna? A palavra “eterna” significa para sempre, permanecer, durar para sempre.
Então, ressurreição eterna, não é apenas a ressurreição espiritual, onde o homem volta a ter uma vida de obediência a Deus no espírito, a uma vida espiritual perfeita com Ele, mas o seu corpo ainda é mortal, e mesmo que tenha vida no espírito, o corpo será separado do mesmo, e ocorrerá a morte física; nem é a ressurreição terrena, física, porque essa ressurreição se dá pela volta do espírito ao corpo, e a pessoa volta a sua vida na terra como vivia antes, porém ele volta a se separar do corpo novamente, e morre.
 Todavia, a ressurreição eterna é à volta a vida física, terrena, mas o corpo não será mortal, nem corruptível, no entanto o corpo será imortal, incorruptível, glorioso, esse corpo que as pessoas receberão quando ressuscitar, na ressurreição que chamo de eterna, permanecerá, durará, para sempre, por isso que eu chamo essa realidade de ressurreição de eterna, porque o espírito volta para o corpo, à pessoa volta a viver e chamais morrerá novamente, chamais o espírito deixará o corpo novamente, porque o corpo será eterno assim como o espírito é, e unidos em plenitude viverão, permanecerão, durarão, para sempre.
Amado, eu quero que você entenda, a ressurreição eterna é a ressurreição onde o espírito volta ao corpo, à vida, porém este corpo não será mais mortal, todavia imortal, glorificado, para viver eternamente com Deus, perfeitamente; espírito, alma e corpo perfeitos para sempre.
Vejamos o que a Bíblia diz (I Co 15.35-58; Mc 12.18-27; At 23.6-10; 24.15,21; Fp 3.9-11; I Ts 4.13-17).
A ressurreição eterna é a ressurreição que Almeida classifica como: à volta à vida, no final dos tempos, de todos os mortos.
No entanto amado estamos falando da ressurreição eterna na realidade cristã, da ressurreição que todo aquele que morreu em Cristo irá passar.
Estudante da Bíblia eu quero que você saiba que a Palavra de Deus é a verdade, que a Palavra de Deus estar Cheia das verdades mais poderoso de todo universo, as quais sustentam as nossas vidas e tudo no universo, todavia eu quero que você saiba também que as verdades poderosas de Deus que estar na Sua Palavra são sementes e como semente contém em seu interior outras verdades poderosas. A Palavra de Deus é a Verdade, estar cheia de verdades, que revelam muitas verdades. Amém.
Tenho falado essa verdade para você, para que como estudante da Bíblia possa sempre está com a mente aberta para aprender de Deus através do Seu Espírito Santo. E Como estamos aprendendo sobre a ressurreição dos mortos, temos que aplicar essa verdade da Palavra no princípio da ressurreição dos mortos. Como já vimos à cima, Deus me revelou na doutrina da ressurreição dos mortos três tipos de ressurreição, ou três realidades de ressurreição, para que ao ler a Sua Palavra eu pudesse compreender o princípio da ressurreição dos mortos, para que eu não ficasse embaraçado com versículos que fala sobre ressurreição, sabendo assim sobre que realidade o versículo esta falando.
 Todavia quando lemos a Bíblia nós observamos em toda ela a doutrina da ressurreição dos mortos, no antigo testamento nós encontramos esse princípio, porque o mesmo é um princípio antigo (Gn 22.5[Hb 11.18,19]; Jó 19.25,26; Is 26.19; Dn 12.1,2), nós também o encontramos no novo testamento (Jo 5.28,29; At 24.15), porém das três realidades de ressurreição que temos estudado a mais enfatizada pelos profetas, Jesus, os apóstolos, principalmente Paulo, é a ressurreição eterna (Lc 14.12-14; I Co 15; I Ts 4.13-18; Tt211-13 [a ressurreição do final dos tempos, onde os justos ressuscitarão para justificação, e os pecadores para a condenação]), a qual é dividida em duas realidades, verdades, fases, a Bíblia chama uma de “primeira ressurreição”, e a outra de “segunda ressurreição”.
Não que sejam apenas duas ressurreições, ou que vai acontecer duas ressurreições apenas, não, quando a Bíblia nos fala da primeira ressurreição, está nos ensinado que há um período de tempo, uma fase, de ressurreição eterna, de ressurreição para vida, de ressurreição dos justos, que começou com a de Jesus, que foi às primícias (I Co 15.20), de muitos santos depois dele, provavelmente (Mt 27.52,53), da igreja e de todos que morreram em Cristo, do antigo e novo testamento (I Ts 4.13-18; Dn 12.1,2), das duas testemunhas (Ap 11.3-14), e todos que morrerão martirizados por amor a Jesus no período da grande tribulação (Ap 20.4,5), após esse acontecimento encera o primeiro período, fase, da ressurreição que chamo, classifico, como eterna, e a Palavra de Deus chama esse primeiro período de “primeira ressurreição”.
O segundo período, fase, da ressurreição eterna, é a ressurreição para morte eterna (a Bíblia a chama de segunda morte), para condenação, a ressurreição dos pecadores, injustos, para receberem a condenação eterna, onde serão lançados no lago de fogo e enxofre; os participantes desta ressurreição serão os pecadores de todos os tempos (de todos que morrerão sem crer no messias, na promessa de Deus, sem crer em Deus, em Cristo Jesus), o anticristo, o falso profeta, todos os adeptos do anticristo que morrerá na batalha do Armagedom, e os rebeldes do milênio (Mt 10.28; Dn 12.1,2; Jo 5.25-29; At 24.15; Ap 20.5,12-15; 2 Ts 2.8; Ap 19.20).
Amados, graças a Deus por Jesus Cristo nosso Salvador, em quem temos salvação, vida eterna, hoje e pela eternidade.
Todos aqueles que morreram em Cristo ressuscitarão para viver eternamente com Deus, ressurreição eterna, na realidade da primeira ressurreição como diz a Bíblia. Porém os que morreram sem Deus, sem Cristo, serão julgados e serão lançados no lago de fogo e enxofre que é a segunda morte, morte eterna, separação eterna de Deus (a Bíblia chama de segunda morte, não por ter apenas duas realidades de morte na Palavra de Deus, mas por que é a segunda morte sofrida pelo o homem espiritual. Morte ma Bíblia é separação. O homem espiritual foi criado por Deus, chega a terra perfeito, conhece o pecado e morre espiritualmente, é separado de Deus no espírito, essa é a primeira morte sofrida pelo o espírito humano. Enquanto estiver vivendo na terra o homem espiritual poderá volta a ter vida espiritual, volta a ter comunhão com Deus, através de Cristo, o reconhecendo como Senhor e Salvador da sua Vida, ressuscitando espiritualmente em Jesus, todavia se a pessoa não quiser nada com Deus através de Cristo, ela continuará morta espiritualmente, e quando deixar o corpo, pela morte física, ela irá para o Hades, que é o lugar dos que morrem sem Cristo, sem Deus, serão julgados no juízo final, perante o trono Branco, receberão a sua sentença e sofrerão o dano da segunda morte, ou seja, serão agora separados de Deus para sempre, o espírito humano que está separado de Deus, morto espiritualmente, será separado de Deus, agora para sempre, podemos dizer: separado pela segunda vez; desta vez para sempre, por isso a Bíblia chama de segunda morte. Apocalipse 20.4-6,10-15.).
Amados, Deus é muito Bom, em Cristo temos direito à vida eterna, hoje e para sempre, hoje já temos vida eterna pela ressurreição espiritual, no final dos tempos, receberemos vida eterna pela ressurreição eterna, onde receberemos corpos glorificados e viveremos para sempre com Deus, com os nossos espíritos, nossas almas, e nossos corpos perfeitos na presença do Todo Poderoso. Amém.

 6 – O Princípio Do Juízo Eterno

“Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus, o ensino de batismos, e da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos E DO JUÍZO ETERNO”.
Hebreus 6.1,2.
 Iremos, agora, estudar o sexto princípio elementar da doutrina de Cristo que é o princípio do juízo eterno.
O que significa a palavra “juízo”? O dicionário da língua portuguesa, Alpheu Tersariol, diz que Juízo é o ato de julgar.
O que significa a palavra “eterno”? O dicionário da língua portuguesa, Alpheu Tersariol, diz que eterno é durar para sempre.
Então, segundo a Bíblia, o princípio do Juízo eterno, no revela que houve vários juízos, está atualmente acontecendo juízos e haverá vários juízos, porém como é “juízo eterno” essa doutrina está nos revelando, também, o ato onde Deus baseado em sua justiça, dará sentença de condenação ou absolvição às pessoas, mas a sentença que tais pessoas receberão dura para sempre, porque é uma sentença eterna (Sl 97.2; 119.39; 1.5; Mt 10.15; At 24.25; Ap 20.11-15).
O juízo eterno no sentido literal é o ato onde Deus baseado em sua justiça, julga, dar sentença de condenação ou absolvição às pessoas, mas a sentença que tais pessoas recebem durará para sempre, porque é uma sentença eterna.
A Bíblia nos ensina que Deus é um juiz justo e tem julgado os povos da terra desde o princípio através das suas leis espirituais e físicas, mas ele sempre julga segundo sua reta justiça.
Quando estudamos a Bíblia observamos que o princípio do juízo eterno é uma verdade antiga, pregada tanto no antigo testamento como no novo testamente (Jó 19.25-29; Gn 18.25; Sl 96.13; Dn 7.9-10; Jd 14,15; II Pd 2.4; I Co 6.3; Jo 3.18,19).
Nós vermos vários juízos acontecerem de Gêneses a Apocalipse.
Juízos no Antigo Testamento
Nós vermos muitos juízos dado por Deus aos homens no antigo testamento, porém veremos apenas alguns: Adão e Eva receberam sentença, juízo, de maldição e morte por causo do seu pecado (Gn 3.7-19); as pessoas da época de Noé receberam a sentença, juízo, do dilúvio (Gn 6.7,13; 7.11-14); as pessoas que construíam a torre de Babel receberam a sentença, juízo, da confusão de línguas (Gn 11.5-9), e o povo de Israel receberam as sentenças, juízos, de escravidão no Egito e dispersão pelo mundo (Ex 1.8-14; Dt 28.63-66; Lc21.20-24); e muitos outros juízo durante a história foram dados por Deus por causa do pecado do homem.
Jesus As Primícias do Juízo
A Bíblia nos garante que haverá um julgamento, juízo, pois, Jesus ressuscitou dos mortos, nos dando uma viva esperança de julgamento eterno, tanto para os justos como para os injustos, pois, após a morte segue-se o juízo (At 17.30-31; Jo 3.18-19; Hb 9.27; II Co 5.10; Ap 20.11-15).
Jesus é as primícias do juízo, por que Ele já foi julgado, e sentenciado em nosso lugar, e sua sentença foi, receber autoridade e posição à direita do Pai, o nome acima de todo nome e, como herança as nações, o domínio sobre tudo e todos (Is 53.12; Mt 28.18; Fp 2.5-11; Hb 1.1-4,8,9; Jo 3.18,19).
Juízos no Novo Testamento
Nós podemos também observar vários juízo no novo testamento: o julgamento da Igreja (Lc 14.12-14; Rm 14.10; I Co 3.7-15; 2 Co 5.10); o julgamento dos judeus vivos (Mt24.29-31; Ez 20.33-38; 39.25-29; Zc 13.7-9; Ml 3.2-5; Mt 25.1-30; Rm 11.23-29); o dos gentios vivos (Mt 25.31-45; 1Co 6.2); o julgamento do diabo e seus anjos caídos, demônios (Is 24.21-23; 1Co 6.3; 2Pe 2.4; Jd 6; Ap 20.10) e o julgamento do Grande Trono Branco (Jo 5.22,23,27-29;At 10.42,43; 17.30,31;Ap 20.11-15), foram outros.
O Juízo Eterno Para Os Justos
     Amados, Jesus voltará para buscar a sua igreja (Atos 1.9-11; 1 Tessalonicenses 1.9-10; Romanos 8.23-25; 1 Coríntios 1.7; Gálatas 5.5; Tiago 5.7; 1 Coríntios 11.26). Todos que nasceram de novo e tem o Espírito Santo serão tirados da terra em um abrir e fechar de olhos (I Coríntios 15,52; leia todo o capitulo). Os que morreram crendo em Cristo ressuscitarão primeiro, e todos que estiverem mortos como os vivos receberão corpos glorificados e serão arrebatados ao encontro do Senhor nas nuvens (I Coríntios 15; I tessalonicenses 4.13-18). Essa é a primeira fase da sua segunda vinda, ou seja, o arrebatamento (I tessalonicenses 4.17). Ele nos levará ao Seu tribunal onde julgará cada cristão pelas suas obras realizadas na terra, boas ou más, e cada um receberá galardão segundo suas obras, e aqueles que não realizaram a vontade do Senhor em sua vida terrena serão salvos como pelo fogo, por ter na terra aceito a Jesus como salvador (I Coríntios 5.10; I Coríntios 3.11-15; Romanos 14.10-12; II Timóteo 4.8). Depois do tribunal de Cristo haverá a maior festa de casamento de todo universo, as bodas do cordeiro, a festa de celebração pela união plena de Cristo e a Igreja (Apocalipse 19.7-9). Logo após as bodas do cordeiro Jesus voltará para lutar em favor de Israel na batalha do Armagedom (Apocalipse 19.11-16). A segunda fase da sua segunda vinda, ou seja, a fase final da sua vinda onde Ele pisará e reinará na terra. A terra será restaurada; e Jesus estabelecerá o Seu Reino na terra de uma forma literal por mil anos onde Ele e a sua esposa, a igreja, reinarão sobre o planeta terra (Apocalipse 20.1-4). Após o Reino Milenar de Cristo, Ele entregará o Seu reino ao Pai (I Coríntios 15.23-25); serão recriados novos céus e nova terra, no qual o mar já não existirá, e nesse novo mundo Deus e o seu povo reinarão para sempre (Apocalipse 21.1-7; 22.5).
O Juízo Eterno Para Os Injustos
Deus julgará os ímpios e entregará a eles a sua devida retribuição eterna, e cada ímpio sofrerá pela eternidade segundo o que praticou aqui na terra (Hb 9.27; Gn 18.25;Rm 2.15,16; 2 Co 11.14,15; 2 Tm 4.14; Ap 18.8; 20.10-15; 22.14). Quando os ímpios morrem vão para uma realidade de inferno, hades, onde sofrem até o dia do juízo final (Mc 9.43-48; Lc 6.22,23; Mt 10.18), e receberá a retribuição eterna da segunda morte, a separação eterna de Deus. Os ímpios e o povo de Israel passarão por um período chamado de grande tribulação (Mt 24.21; Dn 9.27; Jr 30.7; Ap 6.12-17), onde o filho do pecado, o anticristo reinará (I Jo 2.18,22; 4.3; 2 Jo 7; A besta Ap 13.1-4, 12-18; 15.2; 16.2; 17.8; 19.19; 20.4,10; O homem da iniqüidade 2 Tl 2.3; filho da perdição 2 Tl 2.3; O iníquo 2 Tl 2.8), muitos não adorarão ao anticristo e se converterão ao Senhor; muitos morrerão por amor a Jesus (Apocalipse 20.4), nos últimos três anos e meio da grande tribulação Deus trará grandes juízos sobre a terra, sobre aqueles que não adoram ao seu nome, mas a besta, o anticristo (Apocalipse 16.1,2 etc.), na volta de Cristo na batalha do armagedom Ele julgará as nações ímpias (Mt 25.31-36,41,46) , o falso profeta e o anticristo serão lançados no lago de fogo e enxofre, uma realidade de inferno, uma prisão eterna (Apocalipse 19.20); o diabo será preso por mil anos, após os mil anos será solto e combaterá contra Cristo, a igreja e os povos da terra milenar que ficarão com Jesus (Ap 20.7-10), mas o diabo será vencido pelo fogo de Deus, e preso pela eternidade, onde sofrerá para sempre ele e seus adeptos; o povo de Deus julgará os anjos caídos juntos com o Senhor (Is 24.21-23; I Co 6.3; 2Pe 2.4; Jd 6; Ap 20.10); haverá um juízo final onde todos os ímpios serão julgados (Ap 20.11-15), porém os que foram encontrados no livro da vida  não serão lançado no lago de fogo e enxofre, e provavelmente esses que foram encontrados no livro de vida são os povos da terra milenar que serviram a Cristo; todos os ímpios receberão suas recompensas por suas obras praticadas na terra, serão lançados no lago de fogo e enxofre que é a prisão eterna, e podemos dizer que é uma realidade de inferno,  um inferno eterno, e sofrerão de dia e de noite por toda eternidade (Mt 25.46; Mc 9.43-48; 2 Tl 1.8,9; Ap 20.10,14,15; 21.8).
Amado pratique em sua vida os princípios elementares da doutrina de Cristo, e a sua vida jamais será a mesma!
J. B. F.



2 Comentários


  1. A paz de nosso Senhor. obrigada pelo estudo foi e está sendo muito valioso, pois Deus me deu uma palavra dura de correção após uma oração minha em Hebreus 5 12… Tudo é para a honra e a glória de Deus. Que Deus continue lhe dando sabedoria para facilitar nosso entendimento sobre as SAgradas Escrituras.

    Responder

  2. Que maravilha de estudo, confesso que aprendi muito e foi esclarecedor, que o Senhor abençoe sua vida amado irmão.

    Responder

Obrigado.